O que esperar de um casamento não religioso

Houve um tempo não muito distante em que se casar fora da igreja simplesmente não era uma opção para os noivos. O diálogo evoluiu e hoje, além de casar em qualquer lugar, os noivos também podem optar por um casamento não religioso.

Mas antes de aprofundar no tema é importante reconhecer que a influência do cristianismo em nossa cultura vem desde o processo de conquista das terras brasileiras, portanto, a relação do nosso povo com a religiosidade é algo mais profundo e complexo do que muitos imaginam.

Talvez por isso um grande número de casais ainda acaba optando por se casar em cerimônias religiosas, mesmo que não seja praticante dessas religiões. Alguns o fazem por tradição familiar, outros por um sonho idealizado, mas há também quem acredite que dessa forma é possível obter uma dose extra de proteção divina para seu matrimônio.

Todas as motivações para se ter um casamento religioso devem ser acolhidas e respeitadas, especialmente se o casal crê firmemente que a “benção de Deus” dada por um sacerdote é um fator preponderante para um casamento bem-sucedido.

Por outro lado, se os noivos não tem apegos religiosos ou possuem visões diferentes sobre o tema ou seguem uma doutrina que não realiza cerimônias de casamento, então a configuração não religiosa pode ser uma excelente ideia!

Casamento civil não é a única alternativa

Escolher o casamento civil por acreditar que essa seja a única alternativa para evitar a tradição religiosa é um engano que alguns noivos cometem.

O casamento civil, que quase sempre acontece no cartório, é um procedimento rápido e impessoal que combina com o perfil de poucas noivas, o que, no longo prazo, pode gerar a sensação de que faltou algo mais emocionante para destacar um momento tão importante da jornada do casal.

Esse sentimento de incompletude é um relato corriqueiro que ouço de mulheres e homens que me procuram para celebrar sua união após anos do casamento civil, e acredito que esse fenômeno ocorra porque, antes de tudo, o casamento é um rito de passagem.

E no sentido antropológico, o casamento é um momento único na vida de duas pessoas onde se registra no tempo e na memória uma escolha pessoal que trará consequências práticas e modificará para sempre o destino daquelas famílias.

Por isso, tudo o que se faz nessa data, desde a cerimônia, o vestido da noiva, a gravata do noivo, as fotografias, a assinatura do termo até a lua de mel, visa ajudar no fortalecimento do casal para a nova fase de vida a dois.

Alguns pais também precisam dessa “virada de chave” para liberar emocionalmente os filhos para seguirem seus caminhos com sua nova família.

Como é um casamento não religioso

Sabe a entrada triunfal da noiva acompanhada de uma música marcante? O cortejo dos padrinhos, pais, pajens e daminhas? A troca das alianças, a leitura dos votos e o beijo dos noivos? Num casamento não religioso o casal pode optar por tudo isso e um pouco mais!

Até mesmo uma benção com palavras de incentivo, carinho e amizade pode ser realizada numa celebração não religiosa, porém, sem o sentido sacrossanto do ato, ou seja, sem o apelo ao divino.  

Mas, se pode quase tudo, o que então não faz parte do casamento não religioso? As preces, as leituras bíblicas ou sagradas, a reprodução de textos ou palavras padronizadas e, especialmente, a pregação ou o sermão religioso.  

O discurso de uma cerimônia não religiosa baseia-se na história de amor do casal e nos valores de vida que norteiam a relação deles, por isso, costuma ser uma celebração mais íntima e personalizada.

No formato não religioso é possível incluir também rituais com elementos alternativos que representam a união do casal e que geram lindas recordações que os noivos podem levar para casa depois do casamento.

Quem pode celebrar um casamento não religioso

A quem preside uma cerimônia de casamento é dado genericamente o nome de celebrante.

Lilian Costa – Celebrante Profissional

No caso das cerimônias religiosas, os celebrantes são os líderes ou representantes de cada religião, a exemplo dos padres, diáconos, pastores, reverendos, rabinos, abades, babalorixás, etc.

Já no caso das cerimônias não religiosas, o celebrante será a pessoa contratada pelos noivos, que, normalmente, é alguém com conhecimento das tradições de casamento e com competência técnica e comportamental para conduzir esse momento da forma mais ética e emocionante possível.

Interessante, não?

Eu poderia continuar escrevendo, mas vou parar por aqui lembrando que, religioso ou não, o mais importante é que a cerimônia tenha a personalidade do casal e não apenas de um deles ou dos seus pais.

No final das contas, o que sustentará o matrimônio é o amor, a parceria e o respeito pelas diferenças e isso precisa ser aprendido ainda antes do casamento.

Como escolher o Celebrante de Casamento ideal para o dia mais feliz da sua vida

Um comentário em “O que esperar de um casamento não religioso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s